Autoestima X Deficiência

“É fato que muitos têm problema com a sua imagem; no entanto, quando falamos da pessoa com deficiência, a coisa piora bastante. Ter um corpo fora do padrão instituído como belo e aceitável, não é nada fácil! Encarar olhares que dizem que somos diferentes da maioria costuma incomodar. Mas… será que esse olhar, que nos destaca, é sempre de reprovação? Será que nunca nos olham com admiração? Sendo bem realista…. Acontecem os dois tipos de olhares. Afinal, não adianta tapar o sol com a peneira, o preconceito existe.

O que precisamos fazer é filtrar as mensagens que recebemos e reter o que for agradável, o que acrescenta. Porém, não conseguiremos realizar este processo se não tivermos uma boa autoestima que, segundo Sedikides & Gregg (2003), é a avaliação subjetiva que uma pessoa faz de si mesma, como sendo intrinsecamente positiva ou negativa, em algum grau.

Então, para que eu consiga viver bem com a minha imagem e não me importar com o estigma que, muitas vezes, recai sobre mim, é só me dar valor, é isso? Hum… interessante! Mas é fácil? Não, não é!

O problema é que alguns deficientes insistem em acreditar nos pensamentos alheios negativos a nosso respeito – e nos seus próprios – e passam a enxergá-los como verdadeiros, incorporando uma vida sem graça, para baixo, desanimada, sem sentido!

A baixa autoestima inibe nosso potencial e prejudica o convívio social. Aí, depois reclamamos que não temos amigos, que não saímos de casa, que ninguém gosta da gente e… blá, blá, blá…! Na verdade, este tipo de comportamento acaba por criar um círculo vicioso. O deficiente se mostra como o coitadinho, injustiçado, o enclausurado. E a sociedade acaba por acreditar que realmente somos assim.

O deficiente esquece que, em todo tempo, “vendemos” uma imagem. E, qual é a nossa vitrine, o que queremos ou estamos mostrando?

Saiba que, se quisermos ter uma boa autoestima e, consequentemente, vivermos bem com os outros e, principalmente conosco, não podemos desassociar autoestima de autoaceitação, que é: A ação de aceitar a própria forma de ser, os próprios defeitos, qualidades, etc…

Portanto, entenda, para ser visto pelo que se é, na essência, e não somente por ter um corpo diferente ou fora da simetria tão cultuada nos dias atuais… ACEITE – SE! Goste (ou aprenda a gostar) do seu corpo, do seu nariz, do cabelo, do pé, enfim… se goste do jeitinho que você é. E, por favor, esqueça esta bobagem de normalidade social. Acredite, a normalidade é um fantasma, isto não existe!”

Quais são os melhores carros para cadeirantes 22 veículos possuem características essenciais para pessoas com deficiência motora

Mesmo com o mercado em recessão nos últimos anos, a venda de carros para pessoas com deficiência só cresce: em 2012, 42 mil unidades haviam sido vendidas no Brasil; em 2016, esse número aumentou para 139 mil. Quando comparamos o ano passado ao ano de 2015, as vendas subiram 31,5%. Para 2017, a expectativa é que esse aumento seja ainda maior.

Pessoas com deficiências que afetam a mobilidade têm direito, por lei, de comprar carros com isenção de impostos como IPI, ICMS e IOF – o que acaba resultando em um abatimento de 20% a 30% em relação ao preço original. Mas como escolher o melhor modelo, senão pelo preço e aparência?

A resposta está em: praticidade! Pessoas com dificuldades motoras devem prezar por carros que ofereçam uma boa experiência no trânsito e, consequentemente, uma boa qualidade de vida.

Alguns critérios para consideração

Câmbio Automático

O câmbio manual, por exigir uma série de movimentos constantes, não é uma boa opção para pessoas com algum tipo de deficiência motora. Com o câmbio automático, raramente o condutor se preocupará em ficar trocando marchas.

Bom espaço interno

Um carro que possui um bom espaço interno, além de facilitar todas as adaptações necessárias para o condutor, também se torna mais confortável para a locomoção.

Porta-malas

Um carro que será adaptado tem como requisito básico possuir um porta-malas grande, especialmente para guardar a cadeira de rodas ou outros equipamentos do condutor.

Melhores carros para cadeirantes

  1. Honda New City: bom espaço interno e bancos adaptáveis.
  2. Honda City: com opções de acessibilidade oferecidas pela marca, possui, ainda, um ótimo espaço interno.
  3. Volkswagen Gol G4: possui sistema de embreagem do tipo i-Motion, que funciona como câmbio automático, dispensando o uso da embreagem.
  4. Volkswagen Polo: porta-malas grande e câmbio com o sistema i-Motion.
  5. Peugeot 207: bom espaço interno e bancos adaptáveis.
  6. Renault Fluence: facilmente adaptável às pessoas com dificuldades motoras.
  7. Fiat Siena: bom espaço interno e câmbio automático.
  8. Nissan Livina: com ótimo espaço interno, câmbio automático e porta-malas grande comparado com o mercado.
  9. Toyota Corola Xli: possui um bom espaço interno e extremamente adaptável.
  10. Spin: com câmbio automático, porta-malas grande e tamanho baixo, facilitando a entrada e saída do carro.
  11. Palio Weekend: com câmbio automatizado e porta-malas grande.
  12. Fiat Doblò: ótimo espaço interno e porta-malas grande comparado com o mercado.

Modelos exclusivos para PCD

Como o mercado para veículos adaptados para pessoas com deficiências motoras estão em alta, as fabricantes e montadoras passaram a investir em modelos exclusivos para PCD, com preços que estão dentro da Lei para abatimento de impostos – a maioria lançado entre os anos de 2016 e 2017.

  1. Peugeot 2008 Allure Business 1.6 A/T
  2. Peugeot 408 2.0 Allure
  3. Renault Duster Dynamique 2.0 CVT
  4. Renault Fluence Dynamique 2.0 CVT
  5. Jeep Renegade 1.8 A/T PCD
  6. Nissan Kicks S Direct CVT
  7. Hyundai Creta Attitude 1.6 A/T
  8. Hyundai HB20 S Premium 1.6 A/T
  9. Citroen C3 1.6 Tendance A/T
  10. Citroen Aircross Shine 1.6 A/T
  11. Citroen C4 Lounge Origine THP A/T
  12. Toyota Corolla GLi

Como funciona a isenção de impostos

Qualquer pessoa portadora deficiência física que deseja comprar um automóvel está, perante a Lei, isenta dos impostos IOF, ICMS, IPVA e do rodízio municipal.

Para obter o desconto, o comprador precisará passar, primeiramente, por avaliações de um neurocirurgião e um psicólogo, para, assim, dar continuidade ao processo de solicitação, e possuir uma Carteira Nacional de Habilitação em que conste a necessidade de carro adaptado ou automático.

Cada Imposto possui uma especificidade de documentos para tornar-se isento. O pedido do IPI e IOF deve ser realizado na Delegacia Regional da Receita Federal mais próxima da sua casa. Já a Isenção de ICMS deve ser solicitada no posto fiscal da Secretaria da Fazenda da área de sua residência.

A isenção de IPVA só será realizada quando o veículo estiver no nome da pessoa portadora de deficiência física e deve ser solicitado também no posto fiscal da Secretaria da Fazenda da área de sua casa. Já a isenção de multas provenientes do rodízio municipal é feita após cadastro em órgão competente (em SP, a CET).

A importância da NBR nas Reformas de Casas e Apartamentos

Reformar, muitas vezes altera a estrutura do imóvel. Uma coluna retirada indevidamente causa danos ao local e às pessoas. Mas, a corriqueira instalação de portas e janelas, por exemplo, também pode modificar a edificação. Por isso a importância da NBR nas reformas de casas e apartamentos. Pretende reformar? Leia esse artigo para conhecer os principais aspectos da norma que rege essas reformas.

O que é uma NBR?

NBR significa “Norma Brasileira” e representa um grupo de características ou orientações a cerca de processos, produtos ou materiais. As NBR’s são elaboradas pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), entidade privada e única representante da ISO (International Organization for Standardization) no Brasil.

Entenda a NBR 16820

A ABNT NBR 16820 surgiu em 2014, para evitar tragédias como a ocorrida em 2012, após o desabamento de um prédio no centro do Rio de Janeiro. O problema foi devido uma reforma sem acompanhamento técnico, onde paredes estruturais e paredes externas foram removidas. Foram 17 vítimas fatais.

Essa norma torna obrigatória um Laudo de Reforma, elaborado por engenheiro ou arquiteto. O documento traz informações de quais procedimentos serão realizados, equipamentos protetivos para trabalhadores e vizinhança, documentação, registros pré e pós-reforma, além de especificaras responsabilidades do proprietário. Em setembro de 2015, a NBR 16280 reforma ganhou uma atualização.

Um dos principais aspectos da norma é a responsabilidade do síndico. O profissional (ou administradora) tem a responsabilidade de autorizar, autorizar com ressalva ou vetar. Voltando ao desabamento ocorrido no Rio de Janeiro, a falta de envolvimento dele com a obra foi criticada. Segundo Fábio Sciliar, delegado titular da Delegacia de Repressão a Crimes contra o Meio Ambiente e Patrimônio Histórico (Delemaph), o síndico deveria ter comunicado as irregularidades da reforma à prefeitura, além de realizar Boletim de Ocorrência, citando o Código Civil.

Quando a ABNT 16280 é aplicada?

Em toda reforma de casa e apartamento que possa modificar a estrutura. Caso a intenção seja trocar suas antigas janelas e portas por portas e janelas de alumínio, com remoção de paredes, é necessário orientação e acompanhamento de engenheiro ou arquiteto. Saiba em quais situações se aplicam a essa norma:

  1. Modificação de esquadrias, fachada-cortina e componentes;
  2. Furos, aberturas, retirada e acréscimo de paredes;
  3. Vedações que alterem a disposições iniciais da edificação;
  4. Uso de ferramentas de alto impacto para alteração de revestimento;
  5. Instalação e reforma de equipamentos contra incêndio;
  6. Instalação e reforma de sistema de ar-condicionado;
  7. Instalação e reforma de sistema de automação, dados e comunicação;
  8. Instalações de sistema de gás;
  9. Instalações elétricas;
  10. Instalação e reforma de sistema hidrossanitário.

VOCÊ É DEFICIENTE? SAIBA COMO GANHAR DINHEIRO EM CASA SENDO ASSISTENTE VIRTUAL

Como ganhar dinheiro em casa como assistente virtual? A resposta para essa pergunta pode ser uma ótima alternativa para sair do desemprego, burlar a crise econômica, se livrar da lei de cotas e ainda ter um negócio próprio.

Você já pensou em trabalhar como assistente virtual? Neste texto você conhecerá, um pouco mais dessa profissão e as possibilidades de como ganhar dinheiro em casa com esse trabalho que está, cada vez mais, em alta no Brasil.

Não deixe de ler ao final do texto a dica de ouro para se profissionalizar nessa área.

Você e eu sabemos que a tendência das empresas de todos os setores é terceirizar as funções que não estejam propriamente ligadas à sua atividade fim.

Sinceramente não vou entrar no mérito se isso é bom ou ruim, se é justo ou injusto, pois o foco do texto não é esse.

O fato é que isso é uma realidade e, para nos mantermos em pé, precisamos nos adaptar, pois vivemos em uma era de mudanças rápidas e constantes, então eu penso que lamentar não seja a melhor estratégia.

Você e eu sabemos, também, que as empresas, depois de tanto tempo, mesmo com a lei de cotas, ainda não estão preparadas para receber a maioria dos profissionais com deficiência que estão disponíveis no mercado.

É sempre o mesmo discurso:

  1. A pessoa com deficiência não quer deixar os benefícios oferecidos pelo governo para trabalhar;
  2. Os profissionais com deficiência não estão plenamente capacitados;
  3. Promover mobilidade e ambientes plenamente acessíveis é muito dispendioso;
  4. E blábláblá…

Mas, deixando a nossa deficiência um pouco de lado, precisamos admitir uma coisa: para uma empresa contratar um funcionário, seja deficiente ou não, é muito custoso. O nosso Código de Leis Trabalhistas não está entre os melhores, os mais modernos ou os mais eficazes.

É nesse momento que novas alternativas surgem, tanto para empresas como para os trabalhadores, pois a roda precisa continuar girando e a vida acontecendo.

Precisamos, a todo momento, nos reinventar para termos uma vida de trabalho plena e satisfatória. E, para nós que temos algum tipo de deficiência, sempre precisamos buscar alternativas não somente ao desemprego, mas também para a falta de acessibilidade das cidades e do transporte público, para o preconceito e tantas outras coisas que temos como desafios diários.

Então, oportunidades de como ganhar dinheiro em casa são bem atrativas aos nossos olhos, não é mesmo?  E a atividade de assistente virtual pode ser uma alternativa bem viável.

Mas o que é um assistente virtual?

Um assistente virtual, ou secretária remota, é o profissional que oferece serviços administrativos ou técnicos para outros profissionais que não disponibilizam de tempo ou não querem ter um profissional em tempo integral para executar atividades como elaboração de relatórios, administração de e-mails ou gestão de conferencias online, entre centenas de outras atividades.

Esse profissional, na maioria das vezes, trabalha de forma remota, isso quer dizer que ele não fica alocado na empresa do cliente, mas trabalha home office, ou seja, essa é uma daquelas tantas atividades existentes atualmente que nos leva a nos perguntar se essa seria uma boa oportunidade de como ganhar dinheiro em casa.

Mas, quais as principais atividades de um assistente virtual?

Como já disse anteriormente, a profissão de assistente é uma oportunidade de como ganhar dinheiro em casa, pois ele permite que o profissional desempenhe suas atividades remotamente e para que isso seja possível precisa apenas que ele tenha algumas habilidades em:

Ø  Pesquisar e compilar relatórios executivos;

Ø  Realizar tarefas pessoalmente;

Ø  Fluência escrita e falada em idiomas;

Ø  Criação de apresentações virtuais;

Ø  Criação e gestão de contas em redes sociais;

Ø  Habilidade em plataformas como Skype ou Hangouts;

Ø  Disponibilidade para realizar conferências telefônicas durante o horário de expediente;

Ø  Elaboração de pesquisas e estudos de mercado;

Ø  Gestão de correios eletrônicos;

Ø  Inserção de informação em banco de dados;

Ø  Organização de agendas;

Ø  Organização de arquivos digitais;

Ø  Processamento de textos;

Ø  Proficiência em plataformas baseadas em nuvem;

Ø  Reservas online de passagens e hospedagens.

Se você tem uma dessas habilidade ou pelo menos gosta dessa área, saiba que já pode dar o primeiro passo rumo a uma boa oportunidade de trabalho e renda a partir de casa.

Claro que dependendo do trabalho e clientes contratados, eventualmente você precisará fazer algum tipo de deslocamento, mas a grande maioria das atividades será feita de forma remota.

E como ganhar dinheiro em casa sendo um ótimo assistente virtual?

Tudo o que fazemos na vida requer aprendizado constante. Sempre temos um ponto de melhoria para ser desenvolvida seja na área pessoal ou profissional e para área de assistente virtual não é diferente.

Talvez você ainda não saiba executar todas a atividades acima citadas, mas para falar a verdade não é necessário que saiba tudo de imediato e também isso vai depender da sua área de atuação e do porte dos seus clientes.

Mas, para dar os primeiros passos de como ganhar dinheiro em casa sendo um ótimo assistente virtual entenda que será necessário o seguinte:

➔ Ter habilidades interpessoais bem desenvolvidas, pois construir relacionamentos nessa atividade será importantíssimo até mesmo para conseguir mais clientes.

➔ Habilidades de comunicação será outra coisa necessária, pois você irá lidar com pessoas de todos os tipos com culturas, escolaridades e hierarquias diferentes. Então, saber se comunicar tanto de forma escrita e falada será imprescindível.

➔ Em tempos de tecnologia não ser fera em informática em todas as áreas é quase um crime capital, então ter boas habilidades de informática e conhecer ferramentas como Word, Excel, PowerPoint e ferramentas de gestão de e-mail como Outlook é fator primário para dar início nas atividades.

➔ Também em era de tecnologia, informação e conhecimento ter as habilidades de internet para lidar com pesquisas de mercado, gestão de redes sociais ou a comunicação com os clientes dos seus clientes será outra característica indispensável.

👉 Dica

Como pode perceber, a profissão de assistente virtual engloba uma série de atividades e áreas de conhecimento, o que torna a coisa mais dinâmica e desafiadora, mas também traz para perto uma boa possibilidade de como ganhar dinheiro em casa.

Mas talvez, mesmo tendo gostado dessa oportunidade, você ainda traga alguma preocupação se tem mesmo as habilidades necessárias para dar o primeiro passo.

Não se preocupe, pois, essas questões são normais, porém pense que se leu esse artigo até aqui é porque você deseja ter uma vida diferente da que está levando atualmente, acertei?

Então, não foque nas habilidades que você ainda não tem ou nas que não estão plenamente desenvolvidas.

Pense no que pode ser feito para o seu pleno desenvolvimento e você poder trabalhar, a partir da sua casa, sem precisar passar por processos seletivos desgastantes ou transporte público lotados e sem a acessibilidade desejada além de não precisar depender de benefícios do governo que mal garantem o básico.

APÓS ACIDENTE, ENFERMEIRA OBSTETRA ACOMPANHA PARTOS EM CADEIRA DE RODAS

O dia 15 de outubro de 2016 ficará para sempre marcado para a enfermeira obstetra Melissa Martinelli, 39. A caminho de mais um plantão, ela sofreu um acidente com a moto que pilotava. Assim que era socorrida pela ambulância do SAMU, percebeu que havia algo errado: já não sentia mais as pernas.

Assim que ouviu do médico que não voltaria mais a andar, Melissa, que é mãe de dois, só pensava em duas coisas: “Como ia entrar na igreja com meus filhos quando eles casassem e como atenderia o parto das minhas gestantes”, relata a enfermeira obstetra que há 11 anos atende gestantes. Ela conta que receber o diagnóstico, perdeu o chão. “Aquela notícia tirou minha alma, foi como se a minha alma tivesse saído do meu corpo. Eu só chorava e o meu médico falava para eu ficar calma, que conseguiria trabalhar atendendo pré-natal, mas não é o que queria. Senti que morri nesse dia”, conta.

 

Foram 19 dias de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e mais 32 dias internada no hospital para iniciar o tratamento de reabilitação. Ela conta que enquanto esteve hospitalizada, toda a reabilitação foi feita voltada para que ela pudesse atender partos o mais rápido possível. E assim foi feito. Três meses após o acidente, ela voltou a atender suas pacientes. “Primeiro acompanhei alguns partos com a minha sócia, que é uma grande parceira, irmã de alma e que muito me ajudou até que estivesse pronta para atender o primeiro parto sozinha sendo a parteira principal”, diz Melissa.

A enfermeira obstetra conta que não foi nada fácil chegar até aqui. Foi preciso muita mudança em toda a sua rotina. “Tudo mudou. Precisei me reinventar ao me ver em uma cadeira de rodas. Tive que adaptar o meu carro para dirigir, meu consultório, minha casa, e também me readaptar para acompanhar os partos. Também não ando mais de moto, que era o meu lazer, e tive que me adaptar na academia pois agora uso os aparelhos de forma diferente.”

 

Melissa também faz fisioterapia diariamente, acupuntura e tratamento com uma psicóloga que, segundo ela, tem ajudado muito a superar as dificuldades e fraquezas que muitas vezes aparecem. “O mais difícil também foi saber que eu não poderia estar de pé para abraçar meus filhos e meu marido e que não poderia mais segurar de pé minhas pacientes quando elas precisassem”, diz Melissa, que é mãe de Rayssa, 21, e Taoã, 10. “Tem momentos que fico pensando que podia ter passado mais tempo com minha família, difícil pensar que podia ter feito mais antes do acidente”, relata, emocionada.

Melissa, que mora em Brasília (DF), atende partos domiciliares e trabalha na casa de parto São Sebastião, que atende pelo SUS (Sistema Único de Saúde). Ela também é uma das proprietárias da Casa Humaniza, uma casa de parto particular que funciona na cidade.

Apesar dos médicos não darem muita esperança sobre se vai voltar a andar, a parteira não perde as esperanças. “Alguns médicos falaram que só o tempo poderá dizer se voltarei a andar, que é um processo, que leva tempo. Tenho muita fé e acredito que vou voltar a andar. Sou a menina dos olhos de Deus e ele não pisca para mim”, afirma.

 

Melissa diz que todos os dias após o acidente têm sido um aprendizado. “Só sabemos como somos fortes quando precisamos ser fortes. Aprendi que a resiliência é o ato de se transformar, de se reinventar diante de um forte trauma, a ter paciência e é isso que busco dia a dia”, diz.

Sorridente e com uma força que sabe lá de onde vem, Melissa diz que não vai desistir de seus sonhos. “Deus não coloca algo impossível dentro do seu coração que ele não consiga realizar. O universo dá o que a você atrai. Ninguém deve desistir de seus sonhos”, diz a parteira. Ela é enfática e tem uma única certeza nessa vida: “vou voltar a andar. Levar meus filhos de pé até o altar e ainda vou ajudar muita gestante a agachar no parto”, diz a parteira.

Fonte: Mães de respeito

123... 79>>