Investigação sobre rodas

A historia se da inicio no ano de 2013, na cidade de Orlando.

Na noite de sexta-feira, estava acontecendo uma grande festa na casa do jovem Carlos, ele era um dos jovens mais ricos do estado da Florida, mas sua fama era que de uma pessoa extremamente vaidosa e egoísta. Estavam todos no jardim principal da mansão onde estava acontecendo uma a festa em homenagem aos seus 22 anos.

Por volta da meia noite no meio de uma queima de fogos Carlos resolveu ir até a sua biblioteca para tomar um drink sozinho, naquele momento todas as luzes da casa se apagaram, a escuridão tomou conta da mansão, todos ficam muito assustados pelo acontecido.

Minutos depois as luzes se acenderam novamente, mas para surpresa de todos o jovem Carlos havia desaparecido do jardim, começou as buscar por ele na mansão, foi nesse momento que um dos convidados da festa foi ate a biblioteca e se deparou com o corpo de Carlos todo ensanguentado no chão, perto do seu corpo se encontrava um abridor de cartas coberto de sangue.

Os convidados ficaram pasmos com o assassinato, chamaram a policia imediatamente. Os investigadores Alexandre e João se dirigiram imediatamente ate o local do acontecido, para a surpresa de todos um dos investigadores era um jovem de 28 anos que se locomovia por meio de uma cadeira de rodas. Alexandre imediatamente se dirigiu em sua cadeira de rodas até a biblioteca onde se encontrava o corpo de Carlos, nessa mesmo instante o investigador João estava ouvindo os convidados no jardim.

Mas nenhum dos convidados sabiam exatamente o que tinha acontecido, eles só sabiam em que numa determinada hora da festa Carlos havia se ausentado, o investigador Alexandre estava a procura de pistar na biblioteca mas só que nada foi encontrado, era como se ninguém além de Carlos estivesse passado por lá.

Alguns dias se passaram e alguns dos convidados foram chamados para prestar depoimento na delegacia local da cidade, os investigadores estavam tentando juntar todas as peças desse quebra cabeça mas parecia que a investigação não ia para frente. Varias pericias foram feitas ao redor da casa, mas nada de anormal foi encontrado no local onde havia ocorrido o crime, depois de muita investigação os policiais decidiram arquivar o caso.

Alguns meses se passaram e a grande fortuna de Carlos havia se passado para um primo chamado Marcos, esse primo era distante e ninguém nunca tinha ouvido falar dele. Foi nesse momento que os investigadores resolveram investigar a vida desse Marcos e descobriram um passado meio negro.

Marcos foi chamado para prestar depoimento na delegacia, chegando lá Marcos que já estava de posse de toda a fortuna do primo.

Alexandre que era muito esperto começou a fazer varias perguntas à Marcos, foi nessa hora que Alexandre percebeu que Marcos estava um pouco nervoso. Mas o depoimento foi encerrado e Marcos de dirigiu até a mansão que agora era de propriedade dele, já dentro da mansão Marcos se dirigiu ate a biblioteca chegando lá dentro ele teve um flashback da noite da festa. Nesse flashback Marcos estava discutindo com o primo na biblioteca e o abridor de cartas que era a arma do crime estava na mão de Carlos, Carlos gritava com o primo, Marcos começou a ficar muito nervoso na discussão com o primo, nesse momento Marcos sai da biblioteca e vai embora.

Após isso alguém chega por trás de Carlos e defere vários golpes nele com o abridor de cartas, o sangue voava para os lados, após assassinar brutalmente Carolos a pessoa misteriosa pula pela janela e foge imediatamente do local do crime.

Marcos ficou apreensivo de contar para os investigadores que na mesma noite do assassinato do seu primo os dois tiveram essa grande discussão, os empregados da mansão já especulavam que Marcos seria o assassino de Carlos. Alguns dias depois Marcos recebeu um bilhete anônimo dizendo:

Eu sei o que aconteceu na noite da festa!

 

Marcos ficou muito assustado com esse bilhete misterioso, dias depois ele recebeu uma foto onde mostrava ele e o primo discutindo na biblioteca, Marcos já estava bastante perturbado com os acontecidos. Nessa hora o seu celular começou a tocar, era uma ligação anônima ameaçando a divulgas a foto que ele havia recebido.

Marcos então ficou muito preocupado que ele podia se tornar o primeiro suspeito da morte de seu primo, após alguns dias ele recebeu outra ligação ameaçadora só que dessa vez a pessoa anônima pedia uma quantia em dinheiro para não divulgar a foto. Marcos decidiu pagar a quantia pedida, chegando no local combinado ele imediatamente deixou o envelope com a quantia de $100.000, ele achou que seus problemas estavam solucionados, mas era só o começo.

Marcos continuou recebendo varias ameaças da mesma pessoa, ele começou a ficar bastante perturbado com o que estava acontecendo com ele, o medo estava tomando conta dele, Marcos então resolveu sair da cidade por alguns dias, mas só que com isso ele despertou as suspeitas ainda mais para cima dele. A policia resolveu então chamar Marcos para um novo depoimento, só que ninguém o encontrava, ele havia desaparecido.

Depois de vários dias Marcos retornou para casa e para a sua surpresa ele foi preso como assassino do seu primo, Marcos tentou de todas as maneiras dizer que não foi ele que cometeu o assassinato do primo, mas de nada adiantou, Alexandre encostou sua cadeira de rodas perto de Marcos e tentou obter a sua confissão.

Marcos gritava que era inocente, mas Alexandre não acreditava nele, Marcos ficou vários dias preso, os investigadores já estavam confiantes que haviam solucionado o caso. Foi os piores momentos para Marcos já que ninguém acreditava na sua inocência, Marcos tentou ate suicídio dentro do presidio, mas os guardas conseguiram o socorrer rápido. Todos os bens que Marcos havia herdado de seu primo foram bloqueados pela justiça já que ele era considerado o assassino de Carlos.

Marcos passava as noites em claro, pensando quem poderia estar tentando incriminar ele, mas os pensamentos eram em vão. Alexandre começou a pensar se Marcos era realmente o assassino de Carlos, Alexandre começou a ver que as peças não se encaixavam.

Ele decidiu retomar as investigações do assassinato de Carlos, Alexandre começou a procurar por novas pistar, foi nesse instante que ele descobriu uma pista que poderia leva-lo ate a verdadeiro assassino.

Alexandre tinha deixado passar uma digital que tinha sido encontrada em uns dos livros que estavam em cima da mesa na biblioteca, essa digital era de uma mulher.

Mas Alexandre começou a pensar quem poderia ser essa mulher misteriosa, ele revisou todos os depoimentos dos convidados que estavam na festa naquela noite. Alexandre começou a pensar que ele havia deixado passas alguma coisa, ele voltou ate a antiga mansão de Carlos e conversou com todos os empregados que estavam trabalhando naquela noite, foram horas de conversas com os empregados ate que ele descobriu que tinha uma empregada que havia indo embora antes da policia chegar no local.

Alexandre começou as buscas pela essa mulher, até que a encontrou, ela se chamava Úrsula.

Úrsula trabalhou na mansão na noite da festa, Alexandre descobriu que Úrsula tinha um caso escondido com o falecido patrão, mas na noite da festa Carlos havia terminado tudo com ela, Alexandre começou a se questionar se Úrsula poderia ter matado o patrão, seria um crime passional ele se questionou.

Voltando para a delegacia Alexandre começou a investigar o passado de Úrsula, mas nada de negro foi descoberto no passado dela.

De alguma maneira as peças desse quebra cabeça não se encaixavam de jeito nenhum, agora haviam dois suspeitos, Marcos que já estava preso e Úrsula que estava livre. Alexandre decidiu então chamar Úrsula para prestar depoimento, assim que Úrsula chegou na delegacia a primeira pergunta que Alexandre a fez foi:

Você que matou o Marcos?

 

Eu já sei que vocês dois tinham um caso e ele terminou tudo com você na noite da festa!

 

Úrsula ficou estagnada, na mesma hora ela negou tudo, mas Alexandre não ficou convencido.

Foi então que Alexandre imprensou Úrsula e ela não teve outro jeito e confessou tudo em detalhes, ela estava chegando na biblioteca e viu os primos discutindo por causa do caso de Carlos e Úrsula, Carlos estava contando para o primo que estava saindo com outra pessoa.

Quando Marcos foi embora Úrsula entrou na biblioteca e confrontou Carlos sobre o caso dele com outra mulher, os dois começaram a discutir e ela perdeu a cabeça e golpeou Carlos varias vezes com o abridor de cartas quando ela percebeu que Carlos estava morto imediatamente ela saiu pela janela para não ser vista por nenhum dos convidados.

Alexandre finalmente prendeu a verdadeira assassina e soltou Marcos, no dia do julgamento de Úrsula o júri condenou ela a prisão perpetua, Úrsula morreu depois de 30 anos presa.

Finalmente Marcos estava feliz e sem nenhuma suspeita sobre ele.

Marcos resolveu vender a mansão que era do primo e comprou uma outra casa para ele, o investigador Alexandre resolveu explorar novos horizontes na sua carreira e decidiu fazer a prova para o FBI, passou com louvor, o investigador João tornou-se o novo delegado da cidade.

Marcos então decidiu escrever um livro sobre a historia do assassinato do seu primo, o livro foi um dos mais vendidos e ficou no topo dos sucessos durante um bom tempo. Sempre no dia do aniversario do seu primo Marcos fazia uma festa para celebrar, Marcos decidiu pegar uma boa parte da herança que herdou do seu primo Carlos e criou uma fundação para crianças carentes.

Depois de anos da morte de Carlos a cidade não comentava mais sobre o acontecido naquela terrível noite.

 

1 comentário em Investigação sobre rodas Ver mais posts sobre: Historia Tags: , , ,

Ricardo
Falar sobre si não é uma tarefa fácil, não é mesmo? Acho que por isso mesmo adiei tanto a atualização dessa página! Mas vamos tentar né? Você já teve a chance de conviver com um capricorniano? Pois é, aquele jeito louco, sonhador, aventureiro, e nem sempre com os dois pés no chão… Esse sou EU! Ricardo Tostes Pinto Perdigão, ou pra vocês, apenas Ricardo Tostes.

Eutanásia você e a favor ou contra?

Eutanásia, ainda hoje, um dos assuntos mais polêmicos. Em nossa sociedade, fruto de debates e discussões recorrentes.

A prática em si, pode ser catalogada de duas formas principais: a passiva e ativa. Esta última, com o consentimento total do paciente.

Ciente de seu estado, este poderá optar “pelo fim de sua vida”, resultando, pois, no encerramento de um ciclo.

“Eutanásia – Derivado do grego eu (bom) e thanatos (morte) quer significar, vulgarmente, a boa morte, a morte calma, a morte doce e tranquila. Juridicamente, entende-se direito de matar ou o direito de morrer, em virtude de razão que possa justificar semelhante morte, em regra, provocada para término de sofrimentos ou por medida de seleção, ou de eugenia. A eutanásia provocada por outrem, ou a morte realizada por misericórdia ou piedade, constitui homicídio ou crime eutanásico, considerado como a suprema caridade. Não é, entanto, a eutanásia admitida pelo nosso Direito Penal. Mas admitem-na em outras legislações,”

Todos aqueles que acham a eutanásia um acto necessário em situações extremas, apresentam alguns argumentos a favor da Eutanásia. Eles acham que a Eutanásia é um modo de fugir ao sofrimento aquando da falta de qualidade de vida e em fase terminal. Também pensam que ao morrer de uma forma pouco dolorosa é significado de morte digna.

O que é a dor? Impressão desagradável ou penosa, proveniente de lesão, contusão ou estado anômalo do organismo ou de uma parte dele; sofrimento físico. 2. Sofrimento moral; mágoa, pesar, aflição. Dó, compaixão, condolência. Dor cansada. Dor surda. Dor ciática. Dor muito aguda, que se fixa no nervo ciático. Dor fulgurante. Designação Dó, compaixão, condolência. Comum a certas dores intensas e rápidas. Dor surda. Dor que não é forte nem aguda; dor cansada. Dor terebrante. Designação comum a certas dores cuja sensação é comparável à que produziria uma verruma que penetrasse no corpo. Verruma, segundo o mestre lexicógrafo, é definida como “Instrumento cuja extremidade inferior é lavrada em hélice e acaba em ponta, usado para abrir furos na madeira: broca. Dó, compaixão, condolência”.

A dúvida aqui é saber se a eutanásia é um ato humano de profunda significação, necessária em determinadas situações de dor inaudita, se é legal, etc. A nossa Constituição nos assegura o direito à vida plena, não a uma morte indigna, eivada de dor, a cocotanásia; e o nosso código penal ainda a proíbe (este diploma, sobre o exercício circunstancial da eutanásia, em particular, está sendo conduzido à reformulação), mas sabemos que em certos países ela tem o amparo da lei (p.ex. a Holanda e, em certos casos, os EEUU, como, recentemente, no caso de Mrs. Terry Schiavo). É difícil falarmos sobre a eutanásia, esse procedimento polêmico exterminador do sofrimento sem bálsamos, sem ferirmos suscetibilidades. É por isso que a questão é controvertida. O que importa, como exercício de civilidade, é a convivência dos contrários. Mais vale a nossa boa intenção.

Cada pessoa tem autonomia para decidir por si próprio, estando na base da escolha pela prática ou não da eutanásia. A eutanásia não apoia nem defende a morte em si, apenas faz uma reflexão de uma morte mais suave e menos dolorosa que algumas pessoas optam por ter, em vez de viveram uma morte lenta e sofrida.

O indivíduo ao escolher a prática da eutanásia tem de ter consciência do que está a fazer, havendo consequentemente a impossibilidade do arrependimento. É preciso analisar os diversos elementos sociais que o rodeiam, incluindo também componentes biológicas, familiares e económicas.

xistem muitas objecções à prática da eutanásia, como elementos religiosos, éticos e políticos, dependendo da sociedade em que o doente está inserido. No caso da religião, a principal objecção é o facto de considerarem que a eutanásia é tida como uma usurpação do direito à vida humana, vida esse que foi criado por Deus e é esse Deus o único que pode tirar a vida a alguém. “A Igreja, apesar de estar consciente dos motivos que levam a um doente a pedir para morrer, defende acima de tudo o carácter sagrado da vida.” (Pinto, Susana; Silva, Florido,2004, p.37).

Os médicos consideram a vida algo sagrado, portanto da perspectiva da ética médica, tendo em conta o juramento de Hipócrates a Eutanásia é considerada homicídio. Cabe assim ao médico, cumprindo o juramento Hipocrático, assistir o paciente, fornecendo-lhe todo e qualquer meio necessário à sua subsistência. Para além disto, pode-se verificar a existência de muitos casos em que os indivíduos estão desenganados pela Medicina tradicional e depois procurando outras alternativas conseguem se curar.

“Nunca é lícito matar o outro: ainda que ele o quisesse, mesmo se ele o pedisse (…) nem é lícito sequer quando o doente já não estivesse em condições de sobreviver” (Santo Agostinho in Epístola).

De acordo com o Código Penal brasileiro, as penas para quem causa a morte de um doente podem variar de dois a seis anos, quando comprovado motivo de piedade, a até 20 anos de prisão.

Na eutanásia, alguém, geralmente o médico, provoca a morte de um doente terminal após o consentimento dele ou de parentes –a injeção letal mostrada na série é um exemplo de como fazê-la.

Já quando o paciente tem sua medicação ou tratamentos suspensos (por já não serem efetivos ou até prejudicarem o paciente), ele opta pela ortotanásia, uma prática não prevista por lei, mas permitida no Brasil por uma resolução do Conselho Federal de Medicina.

Ambas as práticas diferem do conceito de suicídio assistido, que é quando o próprio paciente tem autorização de interromper a vida se tiver uma doença incurável, por exemplo.

Nem todos os países encaram a eutanásia da mesma forma. Holanda, Suíça, Canadá, Colômbia e Estados Unidos, por exemplo, permitem a morte dependendo do caso. Na Bélgica, a eutanásia é permitida desde 2002.

A comissão de reforma do Código Penal brasileiro enfrenta essa questão e traz uma alternativa que merece estudos, vejamos o que diz o projeto:

Eutanásia § 3.º. Se o autor do crime é cônjuge, companheiro, ascendente, descendente, irmão ou pessoa ligada por estreitos laços de afeição à vítima, e agiu por compaixão, a pedido desta, imputável e maior de dezoito anos, para abreviar-lhe sofrimento físico insuportável, em razão de doença grave e em estado terminal, devidamente diagnosticados: Pena reclusão, de dois a cinco anos. Exclusão de ilicitude § 4.º. Não constitui crime deixar de manter a vida de alguém por meio artificial, se previamente atestada por dois médicos a morte como iminente e inevitável, e desde que haja consentimento do paciente ou, em sua impossibilidade, de cônjuge, companheiro, ascendente, descendente ou irmão.

Estes dispositivos revelam que a tendência da comissão é manter criminalizada a eutanásia, excetuando quando o agente deixar de manter a vida de alguém por meio artificial, ou seja, ligado à aparelhos, desde que previamente atestada por dois médicos a morte como iminente e inevitável, e desde que haja consentimento do paciente ou, de parentes.

 

 

Deixe um comentário em Eutanásia você e a favor ou contra? Ver mais posts sobre: Vida Tags: , , ,

Ricardo
Falar sobre si não é uma tarefa fácil, não é mesmo? Acho que por isso mesmo adiei tanto a atualização dessa página! Mas vamos tentar né? Você já teve a chance de conviver com um capricorniano? Pois é, aquele jeito louco, sonhador, aventureiro, e nem sempre com os dois pés no chão… Esse sou EU! Ricardo Tostes Pinto Perdigão, ou pra vocês, apenas Ricardo Tostes.

Faça seus direitos valerem!

Toda vez que falo sobre alguma nova lei, algum novo direito, sempre tem alguém que diz: “…Leis existem, mas não são cumpridas …. É muita burocracia … Ninguém fiscaliza essas leis…”

Eu mesma já falei alguma delas, mas aos poucos consegui mudar minha forma de pensar.

 

Há pouco tempo foi lançada a Lei Brasileira de Inclusão (LBI), onde contém todas as leis das pessoas com deficiência. Elas são perfeitas e com certeza vão ajudar muita gente.

 

Na LBI é abordada as questões do trabalho, educação, saúde, acessibilidade em locais públicos e outros. É tanta coisa, que pretendo fazer uma postagem sobre cada assunto pra explicar direitinho cada um deles.

 

Mas, não adianta conhecer cada uma das leis e não fazer valer. Realmente não existe nenhum profissional que fica fiscalizando se esses direitos são cumpridos, ou não. Os únicos responsáveis por isso somos nós, os cidadãos brasileiros.

 

Se alguém descumprir ou negar um direito seu, cabe a você chamar a polícia, fazer um Boletim de Ocorrência e colocar na justiça.

 

Gente, fazer isso não dá trabalho nenhum! Eu mesma já processei e não foi nada cansativo, única coisa mais chatinha foi que precisei ir no fórum pra abrir o processo, mas foi rapidinho e ainda ganhei uma grana pela indenização.

 

Outra coisa interessante é que nunca precisei fazer barraco nenhum. Por mais estressada que fico, tento resolver conversando e se não resolvo, chamo a polícia pra registrar o BO (esse documento serve como prova) e coloco na justiça pra tentar resolver.

 

Muitas empresas e pessoas não são acostumadas com essa imposição, nem dão bola se estão tirando algum direito nosso porque sabem que ninguém faz nada, ninguém processa. Mas tá na hora disso mudar!

 

Depois que todos começarem a fazer isso, é que os outros vão começar a nos respeitar. Fazendo isso vamos conseguir mudar o pensamento de todos, as coisas irão começar a funcionar e no futuro nem precisaremos exigir mais nada!

Deixe um comentário em Faça seus direitos valerem! Ver mais posts sobre: Vida Tags: , ,

Ricardo
Falar sobre si não é uma tarefa fácil, não é mesmo? Acho que por isso mesmo adiei tanto a atualização dessa página! Mas vamos tentar né? Você já teve a chance de conviver com um capricorniano? Pois é, aquele jeito louco, sonhador, aventureiro, e nem sempre com os dois pés no chão… Esse sou EU! Ricardo Tostes Pinto Perdigão, ou pra vocês, apenas Ricardo Tostes.

História de um cadeirante

Capitulo 1: o começo

Essa história se passa na cidade de São Paulo, Jorge nasceu com uma doença chamada Distrofia Muscular essa doença faz com que os músculos fiquem fracos e por esse motivo ele não consegue andar, desde criança Jorge teve vários obstáculos na sua vida, mas nenhum deles o impediu de continuar a viver.

Os anos foram se passando e cada vez mais os obstáculos na vida de Jorge eram maiores, por exemplo, devido à sua condição, tinha varias coisas que ele não podia fazer quando criança, já na adolescência Jorge começou a ter muita dificuldade na integração social com os outros adolescentes, ele era uma pessoa muito tímida e de pouca conversa com as pessoas.

Capitulo 2: começo da depressão

Alguns fatos aconteceram na vida de Jorge que o fizeram ficar muito deprimido, por exemplo, um dia Jorge chegou na escola e foi agredido verbalmente e fisicamente por um grupo de adolescentes, esse fato fez com que Jorge não quisesse sair de dentro do seu quarto.

Sua mãe tentou convencê-lo de todas as maneiras possíveis:

Jorge você tem que sair de dentro de casa, precisa respirar ar puro, tem que voltar a estudar.

Não, não vou sair, quero ficar no meu canto, quero morrer.

Sua mãe começou a ficar muito preocupada em ver o filho nessa situação, ela começou a perceber que Jorge estava com depressão, mas o que ela não sabia é que o filho tinha passado por uma situação terrível na escola.

Jorge começou a parar de se alimentar, conversar, só queria ficar dentro do quarto e não levantava da cama para nada.

Sua mãe tentou convencê-lo a fazer terapia, mas de nada adiantou, pois Jorge não queria ver gente perto dele, sua mãe tentou de tudo.

A mãe de Jorge tentou várias coisas que ela pesquisou na internet, mas nenhuma das coisas adiantou, Jorge estava perdendo a vontade de viver, sua mãe começou a perder as esperanças. Ela via o seu filho se entregando cada dia mais para a depressão, ela se viu num beco sem saída. Foi quando achou um grupo na sua cidade que ensinava os cadeirantes a praticarem esportes e vários outros exercícios físicos.

Capitulo 3: a volta por cima

Quando Jorge conheceu esse grupo ele começou a ver a sua deficiência com outros olhos, viu que tinha varias outras pessoas na mesma situação que a sua. Foi nesse momento que ele começou a dar a volta por cima. Começou o processo de auto aceitação dele mesmo, voltou para a escola com a cabeça erguida, começou a se entrosar com as pessoas. Nesse meio tempo ele conheceu uma bela garota chamada Beatriz, era uma garota linda com olhos verdes cabelos loiros claros, a definição dela para ele era a garota com a cara de anjo.

Jorge se apaixonou por ela no instante em que a viu, só que a insegurança dele não o permitiu se declarar de imediato. Os dois começaram a ser amigos, ficavam conversando por horas e horas ele era o maior confidente de Beatriz, um belo dia ela confidenciou ao seu grande amigo Jorge que ela estava apaixonada por um rapaz. Jorge se sentiu sem chão naquele momento, parecia que o mundo estava desabando em cima dele, quando ela apresentou o famoso rapaz para o Jorge ele ficou em choque.

Mas como ele já conhecia Beatriz a um tempo, Jorge resolveu abrir o seu coração para a amiga e amada, ele telefonou para ela e disse:

Bia! Tudo Bem?

Então, estou precisando conversar pessoalmente com você.

Podemos nos encontrar agora?

 

Claro, estou indo ate a sua casa.

O coração do Jorge parecia que iria sair pela boca, ele sentiu suas pernas tremerem de nervoso, sua mão suava frio. Quando Beatriz chegou ela foi direto para o quarto dele, nessa hora ele disse:

Oi Jorge, você falou que precisava falar comigo?

Sim, senta aqui. Então o que eu quero te dizer é!!!

Estou perdidamente apaixonado por você, não consigo dormir de tanto pensar no seu rosto.

Para a surpresa de Jorge, Beatriz se aproximou lentamente do seu rosto e lhe deu um beijo, mas um beijo bem apaixonado. Nessa hora foi como se sinos tocassem em sua volta, os dois ficaram se beijando por bastante tempo.

E ela disse para ele:

Jorge, eu sempre gostei de você de um jeito especial!

Nesse instante foi a hora que ele fez um grande pedido a sua amada.

Quer namorar comigo?

Ela respondeu, SIM! Foi o momento mais feliz da vida dele.

No outro dia, os dois chegaram de mãos dadas na escola, foi como se o mundo parasse para ficar olhando para o novo casal do colégio. Para os dois foi uma sensação estranha todos ficarem olhando para eles.

Capitulo 4: o fim do romance

O inicio foi bom para os dois, mas nem tudo fica perfeito por muito tempo na hora de apresentar o seu novo namorado para a sua família foi um grande choque. Seus pais ficaram indignados com aquela situação, mas ela os enfrentou para ficar com o seu amado, sempre haveriam preconceitos ao redor dos dois.

O casal enfrentou cada pessoa que tinha preconceito com eles, ficaram namorando por muito tempo. Anos se passaram e os dois estavam quase se formando, Beatriz ganhou uma bolsa para uma faculdade Americana. Jorge conseguiu se campeão paraolímpico, a vida os afastou. Cada um seguiu o seu caminho, Beatriz foi fazer a sua faculdade nos Estados Unidos e Jorge ficou competindo em várias modalidades em esportes paraolímpicos.

Os dois foram perdendo cada vez mais o contato um com o outro, cada um foi seguindo a sua vida separados. Jorge ficou famoso pelo esporte e Beatriz seguiu carreira fora do Brasil, Jorge teve vários outros relacionamentos, mas todos foram rápidos. Ele não ficava muito tempo com uma mulher, sempre terminava antes de qualquer coisa mais séria.

Eles nunca esqueceram um do outro, sempre mantinham as lembranças do namoro deles. Mas perderem o contato completamente, as vezes Jorge pensava em procurar a sua antiga namorada, mas nunca procurava a fundo. Um belo dia Jorge recebe uma proposta para competir nos Estados Unidos, e o mesmo aceitou na hora. Ele nem lembrava que a sua amada morava na mesma cidade que ele iria competir.

Capitulo 5: o reencontro

A chegada de Jorge no aeroporto dos Estados Unidos da América foi uma grande festa, tinha muita gente o esperando com cartazes e faixas. Jorge ficou muito feliz com a sua recepção, foi direto para o seu hotel que concidentemente era o mesmo hotel em que a sua antiga namorada estava hospedada para uma importante reunião. Na chegada da recepção do hotel, Jorge da de cara com a Beatriz, foi uma grande surpresa que mexeu com ambas as partes, na mesma hora os olhos de Jorge começaram a brilhar feito um diamante. Era a oportunidade perfeita para o reencontro dos dois, ele resolveu convidar a amada para um jantar no hotel mesmo e ela imediatamente aceitou o convite.

Jorge estava bastante ansioso para chegar a hora do jantar com a sua eterna amada, no outro andar onde era o quarto da Beatriz ela estava no telefone. Na hora do jantar, Jorge contou para Beatriz que ele nunca tinha esquecido dela e que ainda era apaixonado por ela. Só que para a infelicidade do rapaz ela estava casada com outro homem, Jorge ficou arrasado com a noticia, ela disse que eles ainda poderiam continuar sendo amigos. Foi nessa hora que Jorge arriscou e deu um beijo super apaixonado em Beatriz.

O casal se entregou a paixão e foram para o quarto, onde tiveram uma grande noite de amor, no outro dia Jorge acordou com um bilhete da sua amada, dizendo que:

Querido Jorge, sinto muito ter ido embora sem te acordar.

A noite de ontem foi um erro, não podia ter feito isso com meu marido,

Espero que você entenda

 

Beijos

Beatriz

Jorge ficou arrasado com o bilhete, mas foi para a competição e infelizmente perdeu, voltou para o Brasil desolado com o acontecido, mas a vida tinha que continuar. Foi quando ele conheceu uma bela mulher chamada Julia, Jorge não estava apaixonado por ela mas resolveu tentar esquecer a sua grande paixão. Foi uma relação muito intensa, de uma hora para outra os dois já estavam morando juntos, era um relacionamento muito avassalador.

Julia aos poucos foi conquistando o coração de Jorge, os dois decidiram então oficializar esse grande relacionamento, então Jorge fez o grande pedido de casamento para a sua nova amada. E claro ela aceitou, foi uma cerimonia simples só com poucos amigos e familiares de ambas as partes.

Logo após o casamento o novo casal decidiu passar a lua de mel na maravilhosa cidade de New York, nessa maravilhosa cidade foi onde eles concretizaram o casamento com uma maravilhosa noite de amor. Logo após a volta para casa, alguns meses depois Jorge e Julia descobriam que seriam pais de gêmeos, foi uma felicidade enorme para os dois, principalmente para o Jorge que finalmente estava perdidamente apaixonado pela sua esposa.

Nessa hora que ele recebeu um e-mail de Beatriz dizendo:

 

Meu amor,

Não consegui esquecer aquela noite, meu marido faleceu a duas semanas.

Estou voltando para o Brasil e gostaria de lhe encontrar para conversarmos.

 

Beijos

Beatriz

 

 Jorge ficou totalmente sem ação com aquele e-mail, ficou pensando na esposa e nos filhos que iriam nascer, mas também ficou um pouco mexido com o e-mail da antiga paixão. Ficou totalmente perdido naquela hora. Resolveu então responder o e-mail, escreveu uma mensagem de pêsames e disse que ele já tinha seguido com a vida e estava casado, a esposa estava grávida.

Imediatamente Jorge contou para Julia que havia recebido um e-mail de Beatriz, a reação da esposa gravida foi de choque, ele então falou para a sua esposa,

Fique tranquila, não irei abandonar vocês, depois de muito tempo finalmente consegui esquecer a Beatriz!

Mas Julia não conseguia tirar a rival da cabeça, então decidiu procurar por Beatriz que já estava de volta no Brasil, não foi uma conversa fácil, as duas estavam querendo a mesma coisa, Julia queria ficar com seu marido e Beatriz queria o seu grande amor de volta. No meio dessa grande confusão Julia começou a passar mal, teve que ser levada as pressas para o hospital, chegando lá ela pediu para chamar o marido imediatamente. Jorge quando chegou ao hospital recebeu a triste noticia que sua esposa havia perdido os gêmeos, o casal ficou muito abalado e Julia por sua vez ficou insegura achando que perderia seu marido para a rival.

Foram dias muito difíceis para os dois, Jorge que estava sonhando tanto com os filhos, fazendo planos, Julia começou a entrar num estado grave de depressão. Foi então que aconteceu uma grande tragédia, Julia de tão desesperada, tentou se matar cortando os dois pulsos, ela foi encontrada desacordada em casa pelo próprio marido, imediatamente ele chamou uma ambulância que a levou para o hospital, mas infelizmente já era tarde, Julia veio a falecer horas depois no hospital.

Foi um momento difícil para Jorge, que já tinha perdido os filhos e agora também perdeu a esposa, após alguns meses Jorge decidiu procurar por Beatriz para poder conversar, foi então que os dois se encontraram na hora que os dois se viram souberam que o amor de adolescência ainda existia dentro deles.

Foi então que reataram o que tinha acabado lá atrás, começaram a namorar novamente e foi como se os dois nunca tivessem se largado. O casal se entregou de corpo e alma para o amor deles, decidiram que nada mais iriam afastar o casal novamente.

Capitulo 6: o grande final feliz

No ano de 2016 o casal decidiu oficializar a união deles, foi então que planejaram um casamento maravilhoso com tudo o que os dois sempre sonharam.

Beatriz chegou numa bela carruagem de vestido branco, Jorge estava com um belo terno preto esperando a amada no altar, quando ele a viu entrar pela porta da igreja a emoção tomou conta do seu coração, naquele momento tudo na vida dele fez sentido, toda a sua trajetória fez todo o sentido para ele. O primeiro pensamento que veio na cabeça dele foi que ele esperou a vida toda por aquele momento, finalmente os dois se casaram e foram para a casa que os dois iriam morar juntos e ficam a noite toda um olhando para os olhos do outro.

O amor tomou conta do ambiente, os dois se entregaram ao amor que ambos sentiam um pelo outro, e na manha seguinte Beatriz acordou ao lado do seu grande amor e falou enfim estamos juntos. Algumas semanas depois Beatriz descobriu que estava grávida do seu amado, foi a melhor noticia para Jorge, foi uma gravidez tranquila para Beatriz, finalmente o primeiro filho do casal nasceu era um menino.

Nasceu no dia do aniversário de Jorge, após dois anos de casados os dois tiveram outro filho dessa vez foram gêmeos, a felicidade era imensa para o casal.

Depois de anos de casamento os dois chegaram a conclusão que o destino dos dois eram se encontrar um dia novamente, mesmo distante os dois sempre pensaram no amor que eles tinham um pelo outro.

Eles passaram o resto da vida juntos.

Escrito por: Ricardo Tostes

Deixe um comentário em História de um cadeirante Ver mais posts sobre: Historia Tags: , ,

Ricardo
Falar sobre si não é uma tarefa fácil, não é mesmo? Acho que por isso mesmo adiei tanto a atualização dessa página! Mas vamos tentar né? Você já teve a chance de conviver com um capricorniano? Pois é, aquele jeito louco, sonhador, aventureiro, e nem sempre com os dois pés no chão… Esse sou EU! Ricardo Tostes Pinto Perdigão, ou pra vocês, apenas Ricardo Tostes.

O que você deve saber sobre a Lei da Meia-Entrada.

Mais de dois anos depois de ter sido sancionada, a chamada Lei da Meia-Entrada (Lei 12.933/2013) para eventos culturais e esportivos foi regulamentada nesta terça-feira (06).

 

Considerando o nosso universo (pessoas com deficiência), a maior mudança com relação às regras já vigentes é a limitação do benefício da meia-entrada a 40% do total de ingressos disponibilizados para venda — reivindicação antiga dos produtores de eventos. Com a regulamentação da lei, sites responsáveis pela comercialização de entradas também serão obrigados a praticar o percentual.

FIQUEM ATENTOS!!!

 

As pessoas com deficiência têm de portar o cartão de Benefício de Prestação Continuada (BPC) da Assistência Social ou documento emitido pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que ateste a aposentadoria. Se a pessoa com deficiência necessitar de acompanhamento, o acompanhante também terá direito à meia entrada.

 

Em outras palavras, para a pessoa com deficiência a regulamentação prevê que para obter o benefício da meia-entrada, precisará de apresentação do cartão de benefícios assistenciais do Governo Federal ou que tenham sido aposentadas pelo INSS por causa da deficiência ou outro documento que ateste a aposentadoria da pessoa com deficiência.

 

Segundo a lei, a fiscalização será exercida pelos “órgãos públicos competentes federais, estaduais, municipais e distrital, conforme área de atuação” – o Procon de cada estado fará o controle.

 

Assim, quando o cidadão se sentir lesado com a meia-entrada poderá fazer, por exemplo, o mesmo que uma pessoa que encontra um produto fora da validade no supermercado. A lei não é explícita, mas a situação é vista como uma relação de consumo.

 

Fonte: Infoglobo Comunicação e Participações S.A.

Fonte:  http://oglobo.globo.com/cultura/regulamentacao-limita-meia-entrada-40-dos-ingressos-17699775#ixzz3nzbcD1Ym

Leia mais sobre esse assunto em http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2015/10/1690765-em-9-topicos-entenda-o-que-muda-com-a-nova-lei-da-meia-entrada.shtml

Deixe um comentário em O que você deve saber sobre a Lei da Meia-Entrada. Ver mais posts sobre: Vida Tags: , ,

Ricardo
Falar sobre si não é uma tarefa fácil, não é mesmo? Acho que por isso mesmo adiei tanto a atualização dessa página! Mas vamos tentar né? Você já teve a chance de conviver com um capricorniano? Pois é, aquele jeito louco, sonhador, aventureiro, e nem sempre com os dois pés no chão… Esse sou EU! Ricardo Tostes Pinto Perdigão, ou pra vocês, apenas Ricardo Tostes.