TURISMO ACESSIVEL EM CURITIBA

O mercado do turismo vem expandindo e se adaptando às diversas tendências, entretanto, muitos afirma que os recursos para os deficientes físicos continuam escassos em certas cidades; calçadas de pedra, falta de rampas de acesso em alguns pontos turísticos, entre outros problemas comuns que dificultam o acesso de pessoas com necessidades especiais. Porem, algumas cidades apresentam diferenças e mostram que estão se preparando para receber pessoas com qualquer tipo de deficiência. Volta ou outra, quando estamos debatendo sobre as principais cidades do Brasil e suas infraestruturas, Curitiba é alvo de diversos elogios, e não é à toa, pois a cidade é totalmente planejada. O melhor é saber que ela está caminhando para melhorar ainda mais sua estrutura para receber deficientes físicos!

Conheça abaixo algumas dessas condições apresentadas pela cidade para os turistas portadores de necessidades especiais:

Os hotéis:

Alguns dos hotéis em Curitiba são adaptados, entre eles estão o Hotel Rochelle e o Confiance Batel. O Hotel Rochelle oferece para pessoas que possuem limitações físicas quartos amplos, banheiros com barras laterais, cadeiras de banho e Box sem degraus, além de elevadores e rampas de acesso espalhadas por todo o prédio. Já o Confiance Batel possui a mesma estrutura, porém, não disponibilizam cadeiras de banho. Esses hotéis são duas opções que encontramos na cidade. O ideal é que o turista, antes da reserva, ligue para o hotel de preferência e confirme as informações e discuta suas necessidades específicas. Muitas vezes, o hotel pode apresentar condições de melhorar ainda mais a acessibilidade, tendo o conhecimento prévio sobre a particularidade de cada hóspede.

O transporte:

Um dos pontos fortes da capital é seu sistema de transporte, que visa aperfeiçoar a vida de todos os cidadãos e com um cuidado diferenciado para aqueles que possuem necessidades especiais. As estações tubo são pontos de embarque e desembarque em locais escolhidos estrategicamente e que facilitam o acesso dos portadores de necessidades especiais aos meios de transporte. A cidade conta também com o maior ônibus do mundo, apelidado pelos habitantes de “Ligeirão”, o veículo possui uma boa estrutura para receber portadores de necessidades com deficiências físicas, auditivas e visuais (para os deficientes físicos foi disponibilizado um sistema onde os mesmos podem avisar os outros passageiros o ponto em que vão descer, os deficientes auditivos podem saber das paradas através de luzes que se ascendem dentro do ônibus e para os deficientes visuais avisos sonoros que informam as estações por onde o ônibus para e passa). Outro ponto positivo é que não se deve esperar por horas até que um dos ônibus adaptados passe, pois a maioria deles já está preparado para receber os deficientes.

Os pontos turísticos:

Infelizmente nem tudo são flores. Alguns pontos turísticos da cidade não possuem um bom acesso para os portadores de necessidades especiais, o Centro Histórico da cidade, por exemplo, é uma área onde a circulação de cadeirantes é muito difícil e isso se dá devido ao calçamento de pedras portuguesas que dificultam a locomoção. Algumas rampas são íngremes e acabam dificultando o acesso às calçadas. Listamos aqui alguns pontos que possuem um acesso um pouco mais facilitado:

Parque Barigui:

O Barigui é um dos parques preferidos da população curitibana, aos finais de semana ele lota e as pessoas o procuram para desfrutar de sua boa infraestrutura com bares, restaurantes, canchas esportivas, churrasqueiras, uma vasta fauna e flora, entre outros atrativos. A estrutura do Barigui é plana, proporcionando grande facilidade para quem circula com cadeiras de rodas, já o chão é uma espécie de asfalto liso que facilita a locomoção. Alguns banheiros do parque são adaptados, com amplo espaço e barras laterais.

Passeio Público:

O Passeio Público é um parque localizado na região central de Curitiba, cercado por prédios, carros e tudo que faz parte da composição de uma área urbana – ele foi o primeiro parque construído na cidade. Ao adentrar no local, você tem a impressão de estar em outra dimensão, pois seu interior não remete à paisagem que se vê lá fora; lá dentro encontramos lagos com ilha, grutas, playground e muita área verde. O Passeio Público possui uma estrutura semelhante ao Parque Barigui, onde pessoas com limitações físicas circulam com mais facilidade.

Jardim Botânico:

O Jardim Botânico é a verdadeira menina dos olhos da capital paranaense, um dos cartões postais da cidade. Inaugurado em 1991, o local possui belos jardins geométricos e estufas que abrigam muitas espécies de plantas nativas brasileiras. O ponto turístico facilita o acesso de deficientes físicos em partes! Sua área externa possui um plano reto com calçadas lisas, porém, o que complica é a estufa, símbolo do parque, que não possui rampas de acesso e tem escadas estreitas.

Ópera de Arame:

A Ópera de Arame é outro cartão postal de Curitiba. O teatro construído no Parque das Pedreiras possui uma linda estrutura tubular de policarbonato, além de teto transparente e piso aramado. O acesso para portadores de necessidades especiais existe e conta com rampas (com auxilio de corrimão), elevadores e banheiros adaptados (com barras laterais).

Inúmeras são as opções que Curitiba oferece aos turistas que visitam a cidade e são portadores de necessidades especiais. É claro, que a cidade ainda tem muito o que melhor, como a grande maioria das grandes cidades turísticas do Brasil, mas parte de sua infraestrutura já respeita a limitação de todas as pessoas, garantindo a acessibilidade e a diversão de todos os turistas que visitam a capital ecológica do Brasil.

Ver mais posts sobre: Dicas, Viagem acessível Tags: , , , ,

Ricardo
Falar sobre si não é uma tarefa fácil, não é mesmo? Acho que por isso mesmo adiei tanto a atualização dessa página! Mas vamos tentar né? Você já teve a chance de conviver com um capricorniano? Pois é, aquele jeito louco, sonhador, aventureiro, e nem sempre com os dois pés no chão… Esse sou EU! Ricardo Tostes Pinto Perdigão, ou pra vocês, apenas Ricardo Tostes.

Deixe uma resposta