Programa de inclusão: saiba como aproveitar o potencial de pessoas com deficiência

No mercado de trabalho, pessoas com deficiência ainda encontram dificuldades para conseguir um emprego, mesmo que sejam qualificadas para os cargos aos quais concorrem. Isso acontece, em grande parte, porque as empresas geralmente não estão preparadas para lidar com suas necessidades, por não possuírem um programa de inclusão.

Pensar em uma política que torne a contratação de pessoas com deficiência igual a qualquer outra, no entanto, é uma medida que todas as empresas devem tomar. Os gestores responsáveis pelo recrutamento precisam estar aptos para, acima de tudo, perceber o potencial desses indivíduos e tomara as providências para que a sua adaptação no ambiente de trabalho se dê da melhor maneira possível. Siga a leitura e descubra como incluir esses profissionais no mercado de trabalho.

Inclusão de pessoas com deficiência

O processo de inserção de pessoas com deficiência na corporação envolve diferentes estágios de preparação, que vão desde o treinamento de pessoal até a adaptação dos espaços de trabalho. Conheça quatro itens fundamentais para o programa de inclusão.

Processo de recrutamento

Analisar o processo de recrutamento é um passo importante para incluir profissionais com algum tipo de deficiência na empresa. Inicialmente, é preciso abrir vagas às quais essas pessoas podem se candidatar – o que deve ser feito não apenas para cumprir a lei, mas como uma prática valorizada pela corporação.

Depois, durante o processo seletivo, os recrutadores devem avaliar os candidatos com deficiências a partir dos mesmos critérios utilizados com os outros, analisando habilidades e desempenho profissional igualmente entre os concorrentes. É preciso ter em mente que a limitação física não é o fator que determina a competência dos indivíduos.

Oportunidades e capacitação

Ao contratar um funcionário que possui alguma deficiência, é fundamental conceder oportunidades de trabalho dignas para ele na empresa, de acordo com suas qualificações e competências. Isso sem esquecer de oferecer a capacitação e treinamento convenientes para o profissional.

É importante que o gestor não subestime as potencialidades do profissional e, portanto, tenha a consciência de que ele deve desempenhar a função à qual se candidatou, ao invés de realizar tarefas que possam desperdiçar os seus conhecimentos.

Treinamento de gestores e equipes

A fim de receber pessoas com deficiência na empresa de maneira adequada, tanto o gestor quanto a equipe devem estar preparados e sensibilizados para lidar com a inclusão e se relacionar bem com os novos funcionários. Por isso, é essencial que o treinamento desses profissionais esteja na lista de tarefas dos recursos humanos.

É preciso ter em mente que, muitas vezes, os profissionais não estão preparados para a inclusão de pessoas que têm alguma deficiência – o que geralmente ocorre por falta de contato e experiência quando se deparam com essa circunstância, e não por falta de vontade em lidar com a situação. Por isso, o treinamento dos gestores e da equipe deve ser constante para realizar uma mudança cultural na empresa.

Adaptações físicas e tecnológicas

O processo de inclusão também envolve investimentos em infraestrutura no ambiente de trabalho. É preciso adaptar os espaços da empresa para receber funcionários com diferentes deficiências – sejam elas visuais, auditivas ou de locomoção, por exemplo.

Para facilitar o dia a dia de pessoas com deficiência no trabalho, é importante dispor de rampas e banheiros adaptados para cadeiras de rodas, mesas ajustadas, sinais sonoros, instruções em braile e elevador, caso a empresa tenha mais de um andar. Ou seja, todos os itens necessários para a acessibilidade.

Além disso, vale ressaltar a necessidade de adequar os equipamentos tecnológicos – entre eles os computadores – com recursos que possibilitem o trabalho dessas pessoas – adaptações visuais e sonoras, por exemplo.

Programa de inclusão

Elaborar um programa de inclusão de profissionais com deficiência, além de desafiador, é um investimento essencial para as empresas, pois, sem ele, talentos podem ser desperdiçados. É preciso refletir sobre todos os pontos citados acima, entre outros fatores, levando a questão com seriedade e engajando toda a equipe.

No entanto, desenvolver o plano não é suficiente: é fundamental reavaliar o programa de inclusão constantemente, repensando os processos conforme for necessário.

 

Se você tem alguma dúvida ou sugestão sobre o assunto, deixe um comentário abaixo e contribua com a troca de ideias. Não esqueça de compartilhar esse artigo com seus amigos nas redes sociais.

Ver mais posts sobre: Dicas Tags: , , , , , ,

Ricardo
Falar sobre si não é uma tarefa fácil, não é mesmo? Acho que por isso mesmo adiei tanto a atualização dessa página! Mas vamos tentar né? Você já teve a chance de conviver com um capricorniano? Pois é, aquele jeito louco, sonhador, aventureiro, e nem sempre com os dois pés no chão… Esse sou EU! Ricardo Tostes Pinto Perdigão, ou pra vocês, apenas Ricardo Tostes.

Deixe uma resposta