Estimulação Essencial: você conhece essa prática terapêutica?

Você já ouviu falar de “Estimulação Essencial”?  Se você vive o contexto de terapias, já ouviu falar, no mínimo, que atividades selecionadas, graduadas e específicas às necessidades de cada criança mobiliza e reorganiza as funções cognitivas, motoras e sociais.

O termo “Estimulação Essencial (EE)” é adotado para a intervenção de crianças de 0 a 3 anos idade que apresentem ou não alguma deficiência ou aquelas consideradas em situação de risco, que necessitam de atenção especial para favorecer o desenvolvimento global, a aprendizagem e a socialização.

Cada criança é diferente e vai apresentar um padrão distinto de desenvolvimento, apesar de alguns aspectos comuns para as fases.  A EE desde os primeiros meses de vida proporciona à criança assistida a base para aprendizagem posterior, dando também uma matriz de aprendizagem que será utilizada em idades avançadas, além dos benefícios no desenvolvimento neuropsicomotor.

É necessário sempre destacar a importância da estimulação. O atraso pode estar relacionado carência ou privação de estímulos e oportunidades adequadas para a idade, às situações de privação social e sensorial, influencia no desenvolvimento, especialmente em crianças ‘neuropatológicas’.

Para sua aplicação, a estimulação essencial requer o planejamento prévio de um programa de atividades que responda a conceitos claros e a objetivos definidos específicos a cada criança.

Estimular é ensinar, motivar, aproveitar objetos e situações, transformando, transformando-os em conhecimento e aprendizagem. É levar a criança, através da brincadeira, a aprender sempre mais.

Uma equipe multiprofissional pode atuar de forma dinâmica e integrada para favorecer esse processo. É sabido que humanos interagindo no meio onde vivem desenvolvem suas funções cognitivas, motoras e interpessoais.

Fonte: Estimulação Essencial: você conhece essa prática terapêutica? | Reab.me

Ver mais posts sobre: Qualidade de vida Tags: ,

Ricardo
Falar sobre si não é uma tarefa fácil, não é mesmo? Acho que por isso mesmo adiei tanto a atualização dessa página! Mas vamos tentar né? Você já teve a chance de conviver com um capricorniano? Pois é, aquele jeito louco, sonhador, aventureiro, e nem sempre com os dois pés no chão… Esse sou EU! Ricardo Tostes Pinto Perdigão, ou pra vocês, apenas Ricardo Tostes.

Deixe uma resposta