O pesadelo do fecaloma

O fecaloma, também conhecido como fecalito, resume-se em uma grande massa de fezes endurecidas localizadas no reto e, em certos casos, no colo sigmóide, que causa uma obstrução crônica do trânsito intestinal, podendo ocasionar megacólon ou constipação crônica.

Um problema muito sério que pode acometer cadeirantes é o fecaloma. Para quem não sabe, é o acúmulo de fezes no intestino que endurecem a ponto de interromper a passagem e dilatar o intestino. Se o problema permanecer por muito tempo, só cirurgia resolve. Por isso é tão importante cuidar da alimentação e adotar uma dieta mais laxante. E também fazer massagens intestinais todo dia, de forma a treinar o organismo a evacuar constantemente, de preferência no mesmo horário.

Há uma forma de prevenir a formação do fecaloma que é muitas vezes visto com preconceito por muita gente: o toque retal. Como o nome diz, é estimular o peristaltismo (movimentos que o intestino faz para expelir as fezes) através de toque com o dedo. Não tem nada de vergonhoso ou “aviadado” nisso, é uma forma importantíssima de prevenir uma situação que em última instância pode levar até à morte. A foto acima é uma tomografia computadorizada em três dimensões que mostra um fecaloma preso no intestino (a bola no meio do quadril) de tal forma que só é possível retirar com cirurgia. E a cirurgia não é simples, o corte geralmente é grande e o pós-operatório muito complicado. A coisa é séria, portanto deixem de preconceito e a qualquer sinal de constipação (intestino preso) não deixem de fazer o toque para auxiliar a saída das fezes.

Ver mais posts sobre: Qualidade de vida Tags: , , ,

Ricardo
Meu nome é Ricardo Tostes, tenho 21 anos, capricorniano e estudante de Direito. Desde criança sou cadeirante, fui diagnosticado com distrofia muscular tipo centro nuclear. Sempre tive o sonho de levar informações para as pessoas e gostaria de dividir as minhas experiências de vida com vocês através deste blog.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *